Prudência no trânsito

Parece o maior clichê dizer que álcool e direção não combinam, que carro e velocidade são uniões perigosas e que é preciso prudência no trânsito. Isso porque temos a falsa impressão de que isso é senso comum e todos têm consciência desses cuidados (apesar de poucos executá-los). Mas a verdade é que só nos damos conta da importância de dirigir com cautela e responsabilidade nas ruas depois que somos atingidos por uma tragédia. Seja com a gente mesmo, com um familiar, amigo ou com alguém que gostamos muito. Foi o que aconteceu com a atriz Cissa Guimarães, que perdeu o filho, Rafael Mascarenhas, em um atropelamento e também com cantor Leonardo.

Depois que o filho dele quase morreu em um grave acidente de carro, o artista participou de uma campanha de conscientização no trânsito do movimento PARADA – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes. O músico descobriu de forma dramática que “a dor de um acidente pode durar para sempre” (slogan da campanha). O filho dele ficou meses no hospital e felizmente conseguiu sobreviver a tragédia. Tragédia esta que se repete cerca de 430 mil vezes todos os anos no Brasil em acidentes de trânsito. O saldo de tanta imprudência são 38 mil mortos no país e 1,3 milhão de vítimas fatais em todo o mundo em apenas um ano.

Os números são alarmantes, mas só assustam de verdade quando essa realidade atinge diretamente um de nós, como aconteceu com o Leonardo. Somente depois de passar um grande susto como este é que o cantor decidiu abraçar a causa e tentar de alguma forma chamar a atenção das pessoas para esse grande problema. E isso não é uma crítica a atitude do Leonardo, que nem cobrou pela participação na campanha. É assim mesmo que nós agimos. Ficamos na inércia até que o problema nos atinga. E o pior, as vezes, não fazemos nada mesmo vivenciando a problemática de perto.

Frente a gravidade da situação de tantas mortes no trânsito, no ano passado a ONU deu início a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” para que a sociedade se mobilize para estabilizar e reduzir o número e a gravidade dos acidentes em todo o mundo. Isso porque o trânsito é feito, essencialmente, de pessoas. Sem elas não há trânsito.

E a maioria dos acidentes de trânsito, na verdade, não é acidente. Isso porque a palavra acidente pressupõe um acontecimento imprevisto caracterizado pela impossibilidade de controle dos fatores causadores. O que vemos pelas ruas é uma sequência de imprudência somada a falta de respeito e educação por parte de todos: motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres. Levando em consideração que a responsabilidade dos condutores de veículos automotores é sempre maior que os demais porque o veículo lhe coloca em uma condição de superioridade (em relação a potência) frente aos demais.

Seja consciente no trânsito antes que uma desgraça aconteça. Acidentes podem ser evitados. A mudança começa com você.

Anúncios

Deixe seu comentário que em breve ele será respondido. Agradecemos sua participação. Muito obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s