Ajudar o meio ambiente está em suas mãos

Você já parou para pensar nos impactos ambientais causados pela abertura de um aterro sanitário, os quais só são criados para depositar o que já não lhe é mais útil? Neste contexto você pode ajudar Curitiba. Já pensou que pode fazer isso sem sair de casa e utilizando resíduos até então sem nenhum valor? Que tal reduzir e reaproveitar os resíduos orgânicos? Além de ajudar o meio ambiente, você estará contribuindo para a redução de resíduos orgânicos que são enviados aos aterros sanitários. Dessa forma você irá aumentar a vida útil dos mesmos e ainda transformá-los em algo útil como adubo.

Neste vídeo, a engenheira ambiental Juliana Moraes ensina a fazer uma compostagem domiciliar. Observe e faça você mesmo!

Se você ainda ficou com alguma dúvida, nossa engenheira fala um pouco mais sobre o processo.

1. O que é compostagem?
É a produção de adubo, a partir de restos de comida (resíduos orgânicos). Como resultado obtém-se o adubo orgânico.

2. Para que serve e quais são as melhorias para o solo que recebe o composto?
Duas são as formas de se adubar o solo. A primeira, que são os fertilizantes, é prejudicial ao solo se usada em grandes proporções e por ser sintética. A segunda é por meio de adubos orgânicos, que são os compostos feitos com restos de comida que além de não custarem nada, ajudam a promover a manutenção da fertilidade do solo, aumentando a produtividade, evitando erosão causada pelas chuvas e ventos e disponibilizando nutrientes encontrados nos restos de alimentos.

3. Onde pode ser usada?
Por se tratar de uma compostagem domiciliar pode ser utilizada em hortas grandes ou pequenas e jardins.

4. Quais são os materiais necessários?
– Um recipiente, de preferência aerado (com furos), pois assim haverá o controle do aumento excessivo da temperatura do composto;
– Jornal, para absorver eventuais líquidos que possam resultar do processo de decomposição da matéria orgânica, servindo também como indicador do pH;
– Copo com água, para ser colocado no composto;
– Luvas de borracha;
– Folhas secas (cabe ressaltar que existem outras formas de se realizar o composto, podendo ser com a utilização de terra);
– Restos de comida: cascas de frutas, legumes, vegetais, feijão, arroz, batata, cascas de ovo, borra de café, entre outros. Deve-se evitar: gorduras, doces e carnes (peixe, frango e gado) uma vez que são de difícil degradação.

5. Como montar?
Revista o recipiente aerado com o jornal. Após coloque uma camada de folhas secas, uma camada de comida e outra camada de folhas. Para cada medida de restos de comida coloque cinco vezes o volume em folhas secas. O material orgânico deve ser triturado ou cortado em pequenos pedaços para uma melhor uniformidade e decomposição dos mesmos. De dois em dois dias adicione cerca de dois copos de água e revolva bem o material. Isso até a terceira semana. Depois deixe o material em descanso e adicione ao solo depois de 45 dias aproximadamente.

6. Manutenção
A cada dois dias misture o material. A cada cinco dias coloque dois copos de água. Após três semanas da montagem deixe o material descansar.

7. Solução de eventuais problemas
Adicione folhas se a tinta do jornal desbotar, ou se se o composto emitir odores desagradáveis ou se houver chorume no composto. Adicione água se a temperatura estiver muito alta (presença de fumaça quando o composto é revolvido) ou se o composto estiver muito seco.

8. Por que o composto aquece?
O processo de decomposição da matéria orgânica libera calor, é uma reação exotérmica. Isso significa que o processo de decomposição dos alimentos está ocorrendo de forma eficiente.

9. Por que tem que colocar água e revolver o material?
A temperatura do composto não pode atingir mais do que 60/70° se não poderá ocorrer o apodrecimento do mesmo. Para evitar isso, é necessário controlar a temperatura com a adição de água.

10. Pode-se colocar restos de comida diariamente?
Não, pois assim o processo de decomposição estaria sempre iniciando, nunca chegaria a sua forma estável. O ideal é armazenar comida durante um período.

11. Quanto tempo depois de iniciado o processo o composto fica pronto?
Aproximadamente 45 dias.

12. Em que local da casa deve-se deixar o composto?
De preferência um local coberto e protegido da chuva e do sol. Ou mesmo no jardim, a menos que o recipiente seja fechado.

13. Tem cheiro?
Não.

14. Atrai algum tipo de inseto?
Eventualmente pode atrair pequenos insetos como a mosca da banana.

15. Tem como acelerar o tempo de preparo do composto?
Existe algumas maneiras. Uma delas é picar bem os alimentos antes de colocá-los no sistema. Outra possibilidade é o uso de minhocas californianas.

16. Qual é o custo do sistema?
Se você já disponibiliza de algum recipiente como, por exemplo, um galão de água vazio, um cesto de roupa suja, um balde, uma caixa de feira ou uma caixa de papelão o sistema não terá custo algum. Os demais itens como restos de comida, água, luva e jornal são de usos diários em uma residência.

17. O que tem haver com a preocupação ambiental?
Nós como população, podemos trabalhar na fonte do problema, que neste caso é a grande quantidade diária de lixo que é enviada ao aterro sanitário. Podemos cooperar reduzindo a quantidade que sai de nossas casas. Afinal, aterros sanitários e lixões são criados para destinar o que já não nos é mais útil e causam diversos impactos ambientais negativos.

18. O que o município pode fazer para melhorar a questão da enorme quantidade de resíduo orgânico que é mandado diariamente ao aterro sanitário?
Pensar no resíduo orgânico como possibilidade de retorno financeiro. A título de conhecimento, cabe ao aterro sanitário da cidade contar com usinas de triagem e compostagem e também a geração de energia elétrica por meio da captura do metano que é liberado pelo processo de decomposição da matéria orgânica.

Reportagem
Grazieli Teixeira

25 dicas para preservar o meio ambiente

Aproveitando o tema, seguem algumas dicas, super importantes, que você aí de casa pode fazer para preservar a natureza e assim eliminar os impactos ambientais.

1. Aproveite a claridade do sol, abrindo janelas, cortinas e persianas. Acenda a luz só quando precisar;
2. Preserve a vegetação nativa. Não desmate. Não coloque fogo;
3. Não altere cursos d’água ou banhados, eles são protegidos por lei. Poços artesianos somente com autorização;
4. Desligue os aparelhos eletrônicos da tomada quando não estiverem sendo usados;
5. Instale a geladeira e o freezer longe do fogão e dos raios solares e mantenha a borracha de vedação da porta em bom estado;
6. Não passe a roupa aos poucos, nem esqueça o ferro ligado;
7. Não jogue o lixo em terrenos baldios ou em encostas;
8. Separe os lixos (vidro, papel, metal e plástico) e coloque na rua no dia da coleta seletiva em seu bairro;
9. Roupas, brinquedos, livros e jogos que você não usa mais podem ser reaproveitados por outros;
10. Ajude a recuperar as áreas verdes, plante uma árvore;
11. Dê preferência ao sistema solar de aquecimento para tomar banhos, eles não consomem energia elétrica;
12. Armazene água da chuva para lavar calçadas e tudo mais que for possível;
13. Evite comprar móveis de madeira ou que não tenham a certificação do FSC (“selo verde” garante que a madeira foi extraída de forma legal e sem destruição das florestas primárias);
14. Deixe o carro na garagem. Caminhe, reveze carona, vá de bicicleta e sempre que possível, utilize o transporte público;
15. Evite levar para casa embalagens plásticas e de papel que não serão novamente utilizadas. Escolha produtos que tenham a opção de refil;
16. Escreva nos dois lados do papel e use, sempre que puder, produtos feitos com papel reciclado;
17. Use bolsa própria (lona ou pano) quando for às compras ou reutilize os sacos plásticos;
18. Enquanto não estiver usando o fogão, deixe o registro do gás fechado;
19. Tampe bem as panelas. O alimento fica pronto mais depressa e você gasta menos gás;
20. Se você usa chuveiro com aquecedor a gás, lembre-se também de não deixar o piloto do aquecedor instantâneo aceso o tempo todo;
21. Respeite os períodos de proibição da pesca;
22. Não jogue lixo no chão. Carregue-o até a lixeira mais próxima;
23. Use menos veneno em sua lavoura ou horta;
24. Não jogue óleos lubrificantes ou de cozinha na sua rede de esgoto;
25. Ensine às crianças amor e respeito pela natureza.